4 de novembro de 2017

Vigilante Man - com sede de justiça!

Goddamn vigilante! A vingança é um tema bem velho na cultura pop. Nem tentei ir buscar os antecedentes literários, mitológicos, folhetinescos para não chegar até a Bíblia. Na cultura de massa moderna, o cinema tem exemplos infinitos de filmes de vingança, indo do noir e artes marciais ao faroeste. Mas a lista aqui pretendeu fechar na cultura urbana para ficar praticável e referenciando a figura do vigilante.

"Vigilante" não é "vigia" nem "vingador", vigilante é aquele que se posiciona e confronta o crime agindo fora da lei. "Justiceiro", seria um termo mais próximo. E não é um personagem que simplesmente busca vingança pessoal. O impacto do vigilante é outro: ele é o cara comum que se posicionou, reagiu, parou de aceitar o prejuízo, mais ou menos como Michael Douglas no cult Um Dia de Fúria (1993) ou George C. Scott em Rage (1972). Se a regra comportamental em uma sociedade controlada sempre foi baixar a cabeça e não reagir, o vigilante é o maior exemplo de desobediência civil. Por isso ele incomoda tanto e é sempre polêmico.
Na canção "Vigilante Man", Woody Guthrie questiona se o personagem é realmente um justiceiro ou está a serviço de interesses instituídos.
Agora, a vingança pura e simples é outra conversa, a vingança tem a sua limitação enquanto princípio de roteiro para um filme: uma vez punidos os culpados, o personagem vingador completa sua função. Mas não o vigilante...
Então nestes tempos de ódio social declarado e ativo e com a refilmagem de Death Wish, o gênero deverá ter uma retomada. Black Phillip fez uma pequena seleção de 20 peças no gênero sem querer expandir para outras áreas pop como The PunisherToxic Avenger ou O Caso dos Dez Negrinhos.

The Phenix City Story (Cidade do Vício)
1955 The Phenix City Story (Cidade do Vício) • Drama que antecipou elementos explorados posteriormente como o mockumentary, o drama de tribunal e a citação vigilante. Richard Kiley volta da guerra para sua cidade natal onde o crime e a corrupção policial deixam a população à mercê de violência e exploração. Quando presencia o espancamento de amigos de seu pai, um influente advogado local, Kiley decide colaborar com as forças politicas dispostas a enfrentar o crime. Segue-se a reação das organizações criminosas com assassinatos e vandalismos diversos. Consistente e violento drama, repleto de coadjuvantes conhecidos e jogando bem com a situação limite entre tomar a justiça em suas próprias mãos ou apelar a processos legais instituídos. Na cultura cinematográfica, o filme fica entre o faroeste e o vigilante. Foi precursor de filmes como Walking Tall e Fighting Back. 😈😈😈

Une Journee Bien Remplie (Um Dia Dos Diabos)
1973 Une Journee Bien Remplie (Um Dia Dos Diabos) • Considerando sua época, foi um pioneiro na situação do homem comum que decide fazer justiça. Um padeiro acompanhado de sua mãe, saem de moto para um dia de "serviço" no qual deverão eliminar nove jurados que condenaram seu filho à morte. Inventivo e dinâmico, mas assumindo o humor-negro ao invés de impactar pela violência. Cartunesco e progressivamente surreal com piadas externas à trama como a rádio anunciando e tocando um tema musical da própria trilha sonora e a cena em que o padeiro ao volante consegue despistar até mesmo a câmera que o filma e escapar do enquadramento! Primeiro de dois filmes dirigidos pelo ator Jean-Louis Trintignant (que aqui aparece como o diretor da peça teatral). 😈😈😈😈

Tony Arzenta
1973 Tony Arzenta • O pai de John Wick. Alain Delon é um hitman que se aposenta contra a vontade de seus chefes. O castigo cai errado sobre sua mulher e filho e Delon decide então exterminar a quadrilha toda. O título mais inadequado à esta lista, mas Tony Arzenta é tão característico de sua época, tão marrudo e desencantado que não poderia ficar de fora. Destaque à impressionante sequência do corpo pendurado no trem. E destaque à trilha acid jazz de Gianni Ferrio que incorporou a clássica Sentado à Beira do Caminho na versão de Ornella Vanoni. 😈😈😈😈

Death Wish
1974 Death Wish • O clássico. O pai de todos. Seu sucesso e polêmica abriu caminho aos filmes de vigilante e filmes de vingança pela década de 70. Paul Kersey tem sua casa invadida e sua esposa e filha atacadas por marginais. Diante da inoperância da justiça e da polícia, ele passa a se proteger como pode. Death Wish não é tão troglodita quanto o acusam. Nem é um filme de vingança, uma vez que Kersey não sai à caça dos invasores, que nem aparecem mais no filme (entre eles, o novato Jeff Goldblum). Kersey apenas se arma para se proteger e reage quando atacado. Death Wish é um filme sobre reação em uma sociedade adestrada à passividade. Por isso incomoda tanto. De alguma forma a direção truculenta de Michael Winner caiu perfeitamente bem ao filme e a trilha musical de Herbie Hancock cria uma tensão claustrofóbica de rara perfeição. 😈😈😈😈😈

 Il Cittadino si Rebella (O Vingador Anônimo)
1974 Il Cittadino si Rebella (O Vingador Anônimo) • Depois do bem sucedido A Polícia Incrimina, A Lei Absolve, Franco Nero e Enzo Castellari voltam ao policial. Aqui Nero é o cidadão comum, o homem urbano que depois de perder seu dinheiro em um assalto a banco, é levado como refém, surrado e ainda desrespeitado pela justiça que o deveria estar apoiando! Nero decide se infiltrar no submundo e desmantelar a quadrilha. Mas não será fácil. Grande exemplar do polizzioteschi italiano que até antecipa coisas que o cinema americano faria posteriormente, como o confronto final no armazém. 😈😈😈

Magnum Force
1974 Magnum Force • O implacável Dirty Harry enfrenta aqui uma organização de policiais que faz justiça fora do alcance legal. Curiosa variação ao clássico Dirty Harry na qual a irredutibilidade individual do protagonista (o centro do filme original) confronta o grupo de vigilantes. Harry até cita o Esquadrão da Morte brazuca, desaprovando a ação criminosa instituída. Mas o filme não pretende aprofundar questões e se concentra em ação. No elenco de apoio Robert Urich e David Soul em início de carreira. E considerando a presença desses dois atores, Magnum Force é um preview das séries policiais de sucesso feitas para a TV nesse período. 😈😈😈

1975 L´Uomo Della Strada Fa Giustizia (The Manhunt) • Mais um título que mistura a vingança e o vigilante. Henry Silva é um engenheiro que perde sua filha em um tiroteio no assalto a uma joalheria. Diante da ineficiência da polícia, de um detetive particular e até de um grupo alternativo de justiceiros, Silva acaba investigando por conta própria a localização dos assassinos até que atrai a atenção da quadrilha para si próprio! Direção de Umberto Lenzi, com clara influência de Death Wish, e considerando a filmografia do diretor e o que se fazia na época, o filme até que é mediano na violência. Eficiente em sua simplicidade e um bom representante de sua época. 😈😈😈

Taxi Driver
1976 Taxi Driver • Ex-combatente do Vietnã, Robert De Niro é Travis Bickle, um recluso motorista de taxi que supõe que só a violência poderá trazer ordem ao caos social com o qual convive. Ao conhecer uma jovem prostituta, encontra a justificativa que precisava para agir. Clássico thriller e um dos filmes mais importantes do gênero. Sua estética urbana decadente ainda impressiona e o retrato da solidão protagonizado por De Niro, tornou-se emblemático para o cinema. Travis acaba transformado em herói pela sociedade no discutível final. Discutível assim como nossa simpatia por filmes e personagens do gênero. 😈😈😈😈😈

Il Giocattolo
1979 Il Giocattolo • Direção de Giuliano Montaldo. Uma das variações mais geniais e cínicas no gênero. Alterna comicidade e drama no qual Nino Manfredi faz o homem comum que é levado a se armar como forma de proteção contra o crime nas ruas. Mas as consequências desencadeadas pela arma dentro de casa são muito mais ameaçadoras e traumáticas do que a própria criminalidade nas ruas. O desentendimento com a esposa (Marlene Jobert) e com amigos, ajuda a conduzir Nino ao desequilíbrio completo. Ele é um joguete, um brinquedo (giocattolo) à mercê de um processo social amplo que jamais compreenderá totalmente. 😈😈😈😈

The Exterminator
1980 The Exterminator • Sucesso dos tempos das fitas VHS. Robert Ginty é um ex-combatente do Vietnã que enfrenta o crime das ruas em sua comunidade depois que um amigo é atacado por uma gangue. Uma vez bem sucedido, Robert dá continuidade a ações justiceiras contra cartéis de extorsão e até criminosos de rua e pervertidos, sempre com armas e métodos diferenciados. Visualmente eficiente, mas com algumas deficiências técnicas só encontráveis no cinema B. Mediana produção que teve alguma repercussão e ganhou uma sequência em 1984. 😈😈

1981 Mrs 45 • Jovem surda-muda é atacada duas vezes no mesmo dia e passa a reagir violentamente à investidas masculinas. Clássico B do diretor Abel Ferrara e um dos filmes que ajudou a fazer seu nome como uma garantia entre os alternativos. Veja mais no post

1982 Fighting Back • Tom Skerrit, cansado das ações livres e cada vez mais ousadas dos criminosos de sua vizinhança, organiza uma patrulha de cidadãos para confrontar o crime. Sua figura e ações se destacam na comunidade e atraem a atenção da mídia e da classe política. No elenco, participação de Yaphet Kotto (parceiro de Skerrit em Alien). Considerando sua época e o tema, é curioso que o filme não apela à violência desmedida e tem uma estrutura narrativa bem equilibrada. É light mas é muito bom! Dirigido por Lewis Teague, que em seguida faria o terror Cujo. 😈😈😈

Vigilante
1983 Vigilante • Grupo de moradores se mobiliza contra os criminosos locais. Quando Robert Foster tem sua família atacada, decide entrar para o grupo. Mini-clássico nível B dirigido por William Lustig (Maniac). Desajeitado mas esforçado. Simplório em roteiro mas com um resultado técnico acima de sua média. A narrativa se divide em episódios, especialmente quando Foster vai em cana por agredir um juiz corrupto. No elenco cult, Fred Williamson como o líder do grupo e participações de Joe Spinell como um advogado pilantra e Woody Strode como um tiozão encarcerado e bom de briga.  😈😈

Dirty Weekend
1993 Dirty Weekend • Michael Winner volta ao tema de Death Wish em um resultado assustadoramente ruim! Lia Williams vive sendo atormentada por investidas masculinas abusivas, especialmente de um vizinho peeper, até que decide eliminá-lo na marreta! A tarefa se mostra mais fácil do que parecia e depois de trocar a marreta por um revólver Lia se torna a mais eficiente justiceira das ruas depois de Paul Kersey. É curiosa a quantidade de bons reviews para esse filme sendo que ele é uma produção visivelmente desajeitada. Com direção displicente e estética pobre, Dirty Weekend é uma surpresa ruim que confirmou o fim de carreira do polêmico diretor inglês. 😈

 Sentença de Morte
2007 Sentença de Morte • O diretor James Wan dando uma pausa nos filmes de terror para realizar este exemplar thriller. Também baseado em Allan Garfield, autor de Death Wish. Aqui é Kevin Bacon que tem seu filho morto por uma gangue e enfrenta o descaso jurídico na solução do caso. Os acontecimentos posteriores conduzem Bacon a uma enlouquecida espiral que funde vingança, auto-defesa e perplexidade diante da sucessão dos fatos. Suspense peso-pesado com referências à Taxi Driver na caçada final. Bacon sustenta muito bem o filme com sua fragilidade que vai se tornando insanidade. 😈😈😈😈

Boy Wonder (Garoto Prodígio)
2010 Boy Wonder (Garoto Prodígio) • O jovem Sean testemunhou a morte de sua mãe quando garoto e cresceu na obsessão de encontrar o assassino. Treina, estuda, investiga e, como consequência, leva uma vida social alienada. Em suas buscas e andanças noturnas Sean toma conhecimento de inúmeras contravenções e crimes que vai corrigindo de formas diversas. Boy Wonder é um eficiente filme de vigilante juvenil que dispensa a ação heroica e tem sua força garantida na continuidade dramática muito bem conduzida pelo diretor e sustentada por Caleb Steinmeyer, ótimo como o atormentado protagonista. 😈😈😈

Hobo With a Shotgun
2011 Hobo With a Shotgun • Amalucado trash canadense que oscila entre a sátira e o filme de ação. Véio e bom Rutger Hauer é um andarilho homeless que chega a uma cidade dominada por organização criminosa e decide ajudar uma jovem prostituta. Durante um assalto a uma loja ele se arma para enfrentar os assaltantes tornado-se uma espécie de anjo vingador, uma esperança para a cidade se livrar do domínio violento da quadrilha e da polícia corrupta. Insana, caricata, cartunesca e inconsequente aventura que assume o escracho absurdo. Nunca imaginei que Rutger Hauer fosse chegar a esse ponto na carreira. 😈

2011 Seeking Justice (O Pacto) • Nicholas Cage é um professor de inglês cuja esposa é violentada por uma maníaco. Na vigília hospitalar, Cage é abordado pelo misterioso Guy Pearce que oferece encontrar o criminoso e "fazer justiça". Uma oferta simples em troca de um pequeno favor. Cage aceita, mas o "pequeno favor" irá se desdobrar em uma série de ações cada vez mais suspeitas até que ele descobre uma organização de vigilantes com interesses um pouco mais amplos além da lei e ordem. Para não repetir o clichê do homem comum que busca justiça, o filme faz uma variação de roteiro. Do meio pra frente, vira mais um filme corriqueiro de ação e corre-corre, mas o conceito da justiça aplicada por vias alternativas dá um mistério especial à produção. Dirigido por Roger Donaldson depois de The Banks Job (2008), possivelmente seu melhor momento. 😈😈😈

John Doe: Vigilante
2014 John Doe: Vigilante • Ótima produção australiana que só peca em tentar disfarçar seu nível B com enfeites digitais. Mas tem roteiro e construção narrativa acima da média do gênero ao incorporar diversos pontos de vista e justificativas para os fatos que o vigilante John Doe torna públicos em sua cruzada justiceira. Ele grava suas ações punitivas e disponibiliza o material para uma rede de notícias, criando assim uma corrente justiceira de repercussão social e crescente violência. Também é excelente a montagem anti-linear para a tensão narrativa. John Doe é um primor de edição, tanto para a condução emocional quanto para a inserção de comentários e análises. 😈😈😈😈

2014 The Equalizer • Denzel Washington vive sua vida simples e regrada como empregado de uma grande loja de departamentos até que conhece uma jovem de programa pertencente a uma rede criminosa ligada à máfia russa. Quando a garota vai parar no hospital depois de uma bela surra, o pacato funcionário decide punir os responsáveis. Sua ação tem consequências cada vez mais amplas, envolve policiais corruptos e até ladrões de loja. Assim revela-se que o simples funcionário tem um passado bem interessante e repleto de particular skills. Então temos um vigilante que sai dos limites de sua neighborhood e vai consertar as coisas internacionalmente! Trocou métodos simplórios por táticas sofisticadíssimas de agentes secretos. Direção de Atoine Fuqua em um filme que começa melhor do que termina, mas é uma variação bacana e tem ação e porradaria de primeira. 😈😈😈😈

Ficou alguém de fora? Claro que ficou. Um monte. Valem também ser checados outros cults como Savage Streets (1984) com Linda Blair, Fighting Mad (1976) com Peter Fonda, Rolling Thunder (1977), Vigilante Force (1976), The Brave One (Valente, 2007), Blue Ruin (2013), Harry Brown (2009), Prisoners (Os Suspeitos, 2013), Miss Meadows (A Justiceira, 2014) ou derivados de filmes policiais como Sudden Impact (Impacto Fulminante, 1982), Extreme Justice (1993) e I Saw the Devil (2010).

Enfim, a lista é grande, mas a internet acaba aqui...

Desejo de Matar

Nenhum comentário:

Postar um comentário